quarta-feira, 2 de abril de 2014

A eficácia da oração



Shalom a todos,
Tgo 5:13-17 Entre vocês há alguém que está sofrendo? Que ele ore. Há alguém que se sente feliz? Que ele cante louvores.  (14)  Entre vocês há alguém que está doente? Que ele mande chamar os presbíteros da igreja, para que estes orem sobre ele e o unjam com óleo, em nome do Senhor.  (15)  E a oração feita com fé curará o doente; o Senhor o levantará. E se houver cometido pecados, ele será perdoado.  (16)  Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz.  (17)  Elias era humano como nós. Ele orou fervorosamente para que não chovesse, e não choveu sobre a terra durante três anos e meio.

Meditando nessa porção das escrituras sagradas, posso chegar à conclusão de que Tiago está falando de forma bem clara acerca de oração! Ele está citando algumas situações onde você deve orar sabendo que a situação será resolvida. Por exemplo, ele fala sobre o sofrimento. Se alguém estiver sofrendo, esse alguém deve orar! (Não sei por que há cristãos que acham que o sofrimento é algo bom?!). Estar sendo disciplinado pelo Senhor é uma demonstração do se amor de Pai. Mas isso é assunto para outra matéria. 

Tiago coloca outra situação pela qual se deve orar: doenças e enfermidades. Já sabemos que era uma ordenança de Yeshua que seus discípulos curassem os enfermos, porém, aqui neste texto, Tiago faz uma referência direta ao ato de curar e à oração.

O que me chama mais atenção nesse texto é que Tiago coloca duas condições para que a nossa oração possa produzir o efeito esperado. A primeira é estarmos ‘inocentes’, ou seja, estarmos limpos, justos, justificados diante do Pai. Isso acontece através do sangue do Cordeiro que fora derramado em nosso favor. A Palavra diz que sem derramamento de sangue não há remissão de pecados. Bom! Como conseguimos isso? A resposta é claramente revelada o versículo 16: Confissão! Confessar é reconhecer. Especificamente nesse caso, Tiago fala para reconhecermos publicamente, ou seja, confessar a alguém. Quando confessamos os nossos pecados, o sangue de Cristo nos limpa, nos torna alvos como neve, nos lava e nos santifica, passamos a nos tornar justificados ou inocentes. A segunda coisa para que a oração seja eficaz é ! No verso 15 diz: “A oração feita com fé...” e no versículo 16 diz: “A oração de um justo (inocente, justificado) é poderosa e eficaz”.

O texto continua dando outra ordem no verso 16: “Orem uns pelos outros para serem curados”. Uma vez que eu sou justo, minha oração tem eficácia. Logo eu posso orar pelos enfermos e eles serão curados. Se eu estiver enfermo outro justo pode orar por mim e eu serei curado. Então antes de eu orar por alguém, eu preciso ser lavado no sangue do Cordeiro. Eu preciso me confessar, reconhecer os meus pecados, pedir perdão em nome de Yeshua e me tornar justo. Se eu confessar os meus pecados eles serão perdoados. A bíblia está dizendo que seu tiver cometido pecados eles serão perdoados. Por esta razão (para que eles sejam perdoados) eu devo confessá-los. Então eu confesso os pecados para que haja perdão e oro para que haja cura! Em minha humilde opinião, Tiago não está se referindo a feridas na alma, distúrbios emocionais ou coisa assim e sim, claramente de enfermidades físicas. Claro que a eficácia de minha oração atingirá o emocional, se assim eu crer e permitir.

(15) ... E se houver cometido pecados, ele será perdoado.  (16)  Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros

1. Confessar os pecados. A confissão do pecado implica em renunciar o pecado, arrepender-se e abandoná-lo. Confessar é reconhecer o erro, logo não praticá-lo mais. Quando fazemos isso, nos tornamos inocentes diante de Deus. 

2. "Orar para que os irmãos sejam curados...". Você deve orar para que as pessoas sejam curadas! Porque confessar, primeiro? Exatamente para que você seja justificado. A oração de um justo é poderosa e eficaz.

Há uma interpretação errônea desse texto por parte de muitas pessoas. Elas entendem que “precisamos confessar nossos pecados para sermos curados”. Não é isso o que está dizendo. Não podemos isolar o texto, precisamos do contexto em que ele foi escrito. “Texto sem contexto é pretexto”. De fato a confissão vai te trazer muitos benefícios, o maior e garantido, o perdão. Mas além disso, o que na verdade o texto está dizendo é “seja justo para que a sua oração tenha efeito”. Só tem como você ser justificado se você se arrepender e confessar. O texto diz: “confesse os seus pecados uns aos outros” e “orem uns pelos outros para serem curados”. São duas ordens ligadas pela conjunção “e”. Então é para quem ser curado? Aquele por quem você orar. E se você precisar ser curado, um justo pode orar por você. Inclusive você mesmo pode orar por você!
Tem uma outra passagem que diz que “Deus não ouve a pecadores”. Mais uma evidência de que eu preciso de confissão de pecados para que minhas orações sejam atendidas.

Joã 9:31  Sabemos que Deus não ouve a pecadores, mas ouve ao homem que o teme e pratica a sua vontade.

Pense nisso, pratique a palavra. Se você tiver cometido pecados, confesse a alguém que seja idôneo na Palavra e possa te auxiliar. Se você vir algum enfermo, ore por ele com fé e estando justo e o enfermo será curado!

Shalom,
Pr. Alex Guedes
Ministério Christos

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Três princípios sobre a semeadura

"Ora, aquele que dá a semente ao que semeia, também vos dê pão para comer e multiplique a vossa sementeira, e aumente os frutos da vossa justiça; para que em tudo enriqueçais para toda a beneficência, a qual faz que por nós se deem graças a Deus" 2 Cor. 9.10-11

Não sei se você já reparou, mas o texto não diz: "Deus dá semente ao que guarda...". Ao contrário, ele dá semente a quem semeia essa semente. E o mesmo Deus que dá a semente também dá pão.
Deus se importa e cuida também de nossas necessidades materiais (de forma que nós não precisamos nos preocupar. Afinal, na sua própria palavra diz: "Não andeis ansiosos por nada" e "Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e alimento, vestimenta e outras coisas serão adicionados a você"). Parte das sementes que ele nos dá, podemos comer, mas parte devemos semear.

E mais: Deus dá a semente e Ele multiplica a semente!

Existem três princípios sobre as sementes:

1. Você colhe o que você planta.

Isso pode parecer óbvio, mas se você semear milho, só poderá colher milho. Se você semeia maçã, só podes colher maçã. Nesse texto de Coríntios, Paulo sugere que se você semear dinheiro, vai colher dinheiro. Se você plantar generosidade, bondade, amor, hospitalidade e etc, não podes colher nada diferente disso. Foi estabelecido assim desde a criação: "...que a terra produza erva que dê semente, que dê fruto segundo a sua espécie..." Gn. 1.11-12

Não espere uma colheita de algo que você não plantou.

2. Primeiro você semeia, depois você colhe.

 Tem pessoas que pensam e fazem o contrário: "No dia em que eu puder, vou abençoar alguém". Você não tem como colher antes de semear. Comece a ser benção para outros. Quebre esse pensamento errôneo; Há crentes que dizem: "Se Deus me ajudar a fechar este negócio importante, vou realmente começar a ofertar na igreja". Mas, de acordo com a Palavra, o contrário acontece. Você semeia primeiro e colhe depois, não tem como colher, se você não tiver semeado. Os que serão colocados sobre o muito, são aqueles que são fiéis no pouco!

Deus também estabeleceu essa ordem, desde o princípio:

"Enquanto a terra durar, sementeira e colheita, frio e calor, verão e inverno, dia e noite, não cessarão" Gn. 8:22

Veja Mc. 4:26-29

3. A colheita sempre é maior do que a semeadura.

"Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão. Aquele que sai chorando enquanto lança a semente, voltará com cantos de alegria, trazendo seus feixes" Sl. 126:5-6

Mesmo que você esteja chorando enquanto espalha sua semente, suas lágrimas se transformarão em alegria quando você vir a colheita. No reino de Deus, bem como no natural, a colheita sempre é mais abundante que a plantação. Um grão de milho, nunca vai render apenas um outro grão. Um grão de milho, tem potencial para gerar dezenas de espigas, cada uma com uma média de 300 grãos de milho.

Medite nesses princípios da Palavra de Deus sobre a semeadura.
Que Adonai te abençoe ao colocar a Sua Palavra em prática!


Shalom,
Pr. Alex Guedes
Ministério Christos