sábado, 21 de janeiro de 2012

Três níveis de fé

Ao ouvir isso, Jesus admirou-se e disse aos que o seguiam: "Digo-lhes a verdade: Não encontrei em Israel ninguém com tamanha fé. (Mat 8:10)

"Por que vocês estão com tanto medo, homens de pequena fé?" Então ele se levantou e repreendeu os ventos e o mar, e fez-se completa bonança. (Mat 8:26)

Ele lhe disse: "Deixe que primeiro os filhos comam até se fartar; pois não é correto tirar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos". Ela respondeu: "Sim, Senhor, mas até os cachorrinhos, debaixo da mesa, comem das migalhas das crianças". Então ele lhe disse: "Por causa desta resposta, você pode ir; o demônio já saiu da sua filha". (Mar 7:27-29)

E não realizou muitos milagres ali, por causa da incredulidade deles. (Mat 13:58)

Quero falar sobre três níveis de fé: a incredulidade, a pequena fé e a grande fé. Várias vezes, quando Jesus era interpelado pelos seguidores, ele classificava a fé dessas pessoas. Aqueles que vinham até Ele buscando algum tipo de alívio ou livramento, normalmente eram classificados por Jesus, como tendo nenhuma, pouca ou muita fé. Essa diferença era crucial, pois aqueles que tinham grande fé obtiveram rapidamente a resposta que precisavam para qualquer que fora as suas necessidades. Os que tinham pouca fé entravam em desespero e, Jesus os ajudava por sua misericórdia. E tem um terceiro grupo: os que não tinham fé (Mt. 13:58) e não puderam obter nada de Jesus.

Incrédulos

Esse primeiro grupo é aquele que desqualifica Jesus como o Cristo, ao qualificá-lo como um indivíduo qualquer. Esse grupo viu toda a sabedoria de Jesus e viram o que Jesus andava fazendo por onde passava. Mas eles não se atentaram para sua sabedoria divina. Eles atentaram-se em outros detalhes: “Não é esse o filho de Maria? Não é filho de José? Não é irmão de Tiago...?”. Na sua incredulidade eles diziam: “Eu conheço esse homem. Sei quem é o seu pai, sei onde ele estudou, sei com quem ele cresceu, onde ele brincou. Esse não pode ser o messias”

Esses são aqueles que hoje na igreja são atraídos pelos prédios, pelos programas e eventos, pelas amizades, pela conveniência. Eles conhecem aqueles que são de Jesus. Eles sabem de onde Jesus veio, mas não compreendem quem o enviou. Eles sabem que Jesus é extremamente sábio, mas não podem enxergar o poder que há em seu nome. São muito religiosos para perceber que Jesus é bem mais que o filho de um carpinteiro.

Os que têm pouca fé

"Porque vocês estão com medo? Que pouca confiança vocês tem? Então ele se levantou e repreendeu os ventos e as ondas e houve grande calmaria” Mattityahu 8:26

"Então os discípulos se aproximaram de Yeshua em particular e disseram: Porque não conseguimos expulsá-lo?  Ele lhes disse: - Porque vocês tem pouquíssima confiança!" Mt. 17:19 

Esse é um segundo grupo de pessoas que conheceram e seguiram a Jesus. Eles ouviram os ensinamentos de Jesus, e espantem-se: até mesmo conviveram diariamente durante anos, com Jesus. Porém ainda assim, não foi suficiente para fazer com que a sua fé fosse incondicional.

Eles creem em Jesus.  Eles sabem que Ele é o Messias, o Cristo. Sabem que há poder no Seu nome. Muitos deles  já experimentaram, viram e vivenciaram dos milagres de Jesus, porém a sua fé ainda não desenvolveu o suficiente.

O grupo dos que têm pouca fé, quando se deparam com alguma situação maior do que eles podem esperar, ficam sem reação. Não conseguem avançar. Algo semelhante aconteceu com Moisés. Aquele que vira Adonai falar através de uma sarça flamejante que não se consumia. Embora tenha visto todos os sinais que Adonai operou isso não foi suficiente para construir nele uma fé que poderia fazê-lo transpor quaisquer obstáculos.

Quando diante do mar, Moisés clama ao Senhor. Deus o responde, porque Moisés tinha fé em Deus. Ele cria que Deus existia. Moisés sabia que o Eu Sou falara com ele, porém, Ele não tinha fé para compreender que o Eu Sou ‘era’ com ele. A resposta de Adonai é muito clara: “Porque você está me invocando? Diga ao povo que marche!” (Ex. 14:15). Essa resposta, muito claramente, foi dada dessa maneira a alguém que já conhecia o poder, o caráter, a destreza daquele que o enviara, mas precisava de um empurrão na fé. Ele não precisava chamar, bastava fazer e confiar que o Senhor agiria.

Nesse grupo eu posso incluir os discípulos de Jesus. Constantemente Jesus dizia a seus discípulos: “homens de pouca fé”, embora convivessem diariamente com o mestre. Foi assim quando eles atravessavam o mar e enfrentaram a tempestade (Mt. 8:26). Foi assim quando eles não puderam expulsar um espírito imundo (Mt. 17:19) e em outras ocasiões. Essa repreensão de Jesus deixa claro, que Jesus quer que nossa fé se desenvolva, a ponto de fazermos qualquer coisa em seu nome. A tal ponto de fazermos as mesmas coisas e mais do que Ele fez.
É interessante citar a pouca fé, pois parece estar se falando de quantidade, não de tamanho. Pois o próprio Jesus disse que uma fé do tamanho de um grão de mostarda, poderia mover um monte.
  
"Quem crer em mim fará também as obras que eu faço! Na verdade fará coisas ainda maiores porque eu vou para o Pai" Yochanan [João] 14:12

Os que têm grande fé

Se no grupo dos que tinham pouca fé, nós colocamos os discípulos, é interessante falar, que os que foram classificados como tendo grande fé, na sua maioria, nunca tinham visto a Jesus, apenas ouviram falar. O ouvir falar foi suficiente para gerar neles grande fé. Paulo inclusive diz: “a fé vem por ouvir a respeito de Jesus” Rm. 10:17

Eles ouviram falar de um ‘tal’ Jesus e creram. Creram a tal ponto de obter imediatamente a resposta da sua petição. Foi assim com o cego (Mt. 9:29), com a mulher do fluxo de sangue, com a mulher siro-fenícia (Mt. 7:27), com o centurião (Mt. 8:10) e vários outros.

Eu quero te revelar um ‘segredo’: a fé pode mudar inclusive, uma sentença do próprio Pai sobre ti. Não estou sendo herege ao declarar isso. Posso dar, pelo ou menos dois exemplos, um sob a Velha Aliança e outro com o próprio Jesus:

A mulher siro-fenícia, já tinha recebido uma resposta de Jesus, sobre a sua petição. Jesus dissera que não poderia atende-la pois não seria “correto”, sem antes atender os de casa. Mas a resposta da mulher, lotada de fé na pessoa de Jesus, cheia de convicção de quem Jesus era, do que ele podia fazer, do seu amor e compaixão, sabendo que Deus não fazia distinção entre pessoas, fez com que Jesus mudasse o seu parecer sobre a sua causa.

"Por causa desta resposta, você pode ir; o demônio já saiu da sua filha". (Mar 7:27-29)
Jesus diz a ela que por causa da resposta dela, a filha dela estava já curada. Quanta fé aquela mulher não manifestou para que Jesus mudasse o seu julgamento sobre aquela causa? Mesmo diante de uma resposta dura e até mesmo desanimadora de Jesus, ela perseverou.

O segundo exemplo, foi com o rei Ezequias. Todos sabem a história. O próprio Deus mandou Isaías ir até o seu encontro e dizer a Ezequias que os seus dias estavam findando.

Naqueles dias Ezequias ficou doente, à beira da morte. O profeta Isaías, filho de Amoz, foi visitá-lo e lhe disse: "Assim diz o Senhor: Ponha a casa em ordem, porque você vai morrer; você não se recuperará". (Isa 38:1)

Observe que Adonai dissera que não haveria recuperação para o caso dele. Sabe o que Ezequias fez? Pôs o rosto na parede e começou a clamar ao Senhor e a chorar amargamente. Porque ele fizera isso? Porque Ele sabia que Adonai poderia sim mudar essa situação.  A resposta vira tão rápido, que Isaías se quer havia deixado o Palácio.  Isso é uma grande fé!

Note que a grande fé muda qualquer situação. Quando Jesus falou isso aos seus discípulos, ele queria que eles tivessem grande fé: “TUDO é possível para aquele que crê” e “seja feito conforme você crer”.

Jesus não despreza a pouca fé, mas ele a repreende. Incentivando-a a ser desenvolvida. E sabe como a fé cresce? Através da leitura da Palavra e da oração no espírito.

Além disso, usem o escudo da fé, com o qual vocês poderão apagar todas as setas inflamadas do Maligno. (Efs 6:16)

Edifiquem-se, porém, amados, na santíssima fé que vocês têm, orando no Espírito Santo. (Jud 1:20)

... Nossa esperança é que, à medida que for crescendo a fé que vocês têm, nossa atuação entre vocês aumente ainda mais, (2Co 10:15)

A vontade do Pai é que sejamos cada vez mais parecidos com Jesus, em todas as coisas.

Até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo. (Efs 4:13)

Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que havemos de ser, mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, pois o veremos como ele é. (1Jo 3:2)

Pois aqueles que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. (Rom 8:29)

Do seu amigo, Alex Reinaldo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário